Localização História Estatística Política Cultura Variedade Vistas Personalidades Solidariedade Procurar Créditos Home

Acima Dona Jacy

Santa_Lina_tit.gif (26173 bytes)

JacyCaldas_tit.gif (8231 bytes)

stlina_jacy1.jpg (47198 bytes)

Acima Dona Jacy, 80 anos,  na foto de 06 de Março de 2004, em Campinas, com 80 anos de idade.

Quando uma pessoa é boa, boa mesmo, só de olhar   você já se sente bem, e um pouco depois já estamos com vontade de partilhar sua generosidade. Imagina para quem viveu muitos anos com ela , como foi o caso dos habitantes de Santa Lina. Que saudade de dona Jacy Caldas, esposa do sr. Eloy Caldas, administrador geral  da fazenda.
Quanto ela fez por nossa gente, não é ?

Sua história não teria beleza se não fosse um ingrediente que a fez feliz e hoje tortura de tanta saudade daqueles bons tempos. Este ingrediente foi sua vida em Santa Lina. Vamos conhecer um pouco de sua história ?

Seus pais eram de descendência européia. O pai nascido em Jardinópolis trabalhava como administrador. Sua mãe de Jundiaí, onde acabaram se conhecendo. Casaram-se em Campinas, tiveram dois filhos e em 1917 mudaram para Birigui (cidade do Estado de São Paulo, ao lado de Araçatuba) . Seu pai foi amigo de Washington Luiz.  Em 1924 nasceu dona Jacy, a terceira de 14 filhos.

Aprendeu desde cedo a dar valor nas pequenas coisas , nos pequenos detalhes. Seus pais ensinaram seus filhos a valorizar a liberdade e a fraternidade.

Em 1924, na época da revolução mudaram-se novamente para Campinas. Estando o Brasil numa crise muito grande, seu pai resolveu mudar-se para Itália, mas quando chegou lá  recebeu  voz de prisão por não ter a documentação correta e por não ser simpatizante ao governo fascista.  A "máfia" bastante ativa em Cecília foi que ajudou-o fazendo passaporte falso e ele então voltou para Brasil deixando na Itália mãe e cinco filhos.  Dona Jacy tinha 6 anos naquela época.

Foi nesta época que Dona Jacy teve sua primeira experiência com aquilo que seria um sonho de toda a sua vida. Ser enfermeira;  Sua mãe, sozinha com as crianças,  estava preparando o passaporte para retornar para o Brasil e um dia teve que deixá-la sozinha com os irmãos mais novos. Eles moravam na cidade onde existe o vulcão Etna e seu irmão acabou caindo de cara nas pedras  vulcânicas que eram comuns em toda a cidade, machucando o rosto com os estilhaços . Como sua mãe não estava em casa , intuitivamente ou com o dom nato que Deus lhe deu,  retirou todos os estilhaços de seu rosto , que até pareciam vidro, limpou e fez o curativo. Quando sua mãe chegou, ficou desesperada e prontamente levou o filho na farmácia. O farmacêutico nada fez  senão elogiar o curativo e a limpeza que havia sido feita . Dona Jacy só tinha 6 anos !

Depois de um tempo seu pai acabou enviando as passagem e eles puderam regressar para o Brasil. A família pode se reunir novamente em 1927 na cidade de Birigui.

Em 1936 mudaram-se para Campinas novamente, local onde tinham parentes, e lá conheceram a família do sr. Eloy Caldas . Fizeram grande amizade. Não deu outra. Em 1938  dona Jacy começou  namorar sr. Eloy e vieram a se casar em 1944.


stlina_jacy3.jpg (62530 bytes)
Foto do sr. Eloy com amigos de Santa Lina

Sr. Eloy já trabalhava como administrador de fazendas e  foram para o Paraná para um novo serviço na  fazenda de seu irmão. Não tinham parentes, quase nenhum conhecido ,  época em que nasceu sua filha Marilze. Foram  2 anos e 8 meses sofridos. Dona Jacy não sabe explicar mas detestava o local. Tinha muito inseto e era muito isolado, uma tristeza total.

Moravam vizinhos da fazenda do sr. Pinto Lima , parente de Dona Lourdes Giorgi, esposa de Orlando Giorgi, e naquela  época o Dr. José Giorgi estava procurando um novo administrador para a fazenda em Quatá, visto que o antigo administrador da Santa Lina, o "seu Antonião", estava com problemas de saúde e deveria ser aposentado brevemente. Sabendo que dona Jacy não se sentia bem no lugar o irmão do sr. Eloy indicou-o como administrador substituto  para a Fazenda em Quatá . No dia  1 setembro de 1949 sr. Eloy foi empossado como novo administrador geral da Santa Lina  e dona Jacy ... a primeira dama.

Dona Jacy ficou muito feliz, queria deixar o Paraná o quanto antes. Não se sabe o por que , mas quando viu sua casa azul anil pela primeira vez em Santa Lina já se apaixonou . Foi amor a primeira vista. Gostou do lugar , de sua gente e como ela mesmo diz :

"Lá criei raízes profundas, lá era a minha vida, o meu mundo , o que eu sempre quis para mim , o que sempre amei".

A fazenda era muito grande e predominava a plantação de café, arroz e algodão. Também existia a parte industrial, como as máquinas de beneficiamento e a tecelagem de algodão.


stlina_jacy4.jpg (55460 bytes)
Tecelagem de algodão

stlina_jacy7.jpg (50550 bytes)

Dona Jacy várias vezes em nossa entrevista se emocionou e um nó na garganta não a deixava falar. Lembra-se com saudade de cada detalhe daquela época, de seus vizinhos, da dona Heleninha, da sirene das quatro e meia da madrugada e depois das seis horas da manhã chamando os trabalhadores .

Conta também de sua outra grande paixão , o ambulatório, que era seu sonho desde criança, o de ser enfermeira. O ambulatório ficava onde era antigamente a escola. O Grupo Escolar somente foi construído depois em 1955.


stlina_jacy12.jpg (45175 bytes)
Crianças da Escolas Reunidas em uma atividade

Quando pensaram em montar um ambulatório para cuidar dos feridos da fazenda , e eram muitos,  mesmo contrário a vontade do sr. Eloy, dona Jacy colocou-se como voluntária para tal. Não queria saber nem de salário. Seus ajudantes ganhavam mais que ela. Ela depois de 4 anos passou a ser registrada e ter um salário simbólico e era tão pouco, tão pouco que deixava para pegar o dinheiro uma vez só por ano, mas não reclamava disto, ela trabalharia lá de graça ou até pagaria para estar junto a seu povo.

E dona Jacy tomou conta do ambulatório por toda a sua vida em Santa Lina. Mais tarde,  foram contratados para ajudá-la o sr.João e depois o Flávio. Lembra-se deles com muito carinho e acha hoje em dia graça das maluquices que esses faziam. Um de seus funcionários, o Kika, um dia  trocou a injeção indicada por conta própria. A receita era de vitamina e ele colocou no lugar o anestésico xilocaína. Hoje ela dá risada, mas no dia ela queria morrer. Graças a Deus o cidadão saiu ileso.

E o Jesus, não o salvador, outro seu ajudante deitava na mesa e punha o cigarro no suporte de soro. Com ajudantes assim dona Jacy não precisava de inimigos. Ela lembra com saudade de todos eles. Foram 23 anos de sua vida dedicado ao povo naquele ambulatório, tinha muitos feridos devido ao corte da cana. A fazenda teve vários fiscais. Alguns deles eram sofisticados, granfinos. Algumas esposas desses fiscais sentiam-se a dona do mundo . Dona Jacy, a primeira dama, lavava os pés dos peões, e faria tudo de novo, era humilde , uma pessoa simples , ensinou naquela época os modos de higiene, e para as mães como cuidar de seus bebes, a regularização da vacinação na fazenda e muitas coisas mais.

stlina_jacy5.jpg (47719 bytes)
Sr. Eloy sempre participativo. No extremo esquerdo, com o braço levantado,  o Otávio e de óculos o Negrãozinho, Tininho, Sr. Antonio Assaiante, Sr. Eloy Caldas,  Dejair, Odair do Mané Baiano, Dito Lima e Zezinho Barbosa.
( quem se lembra do Otávio em 76 ou 77 no Cine Palazzi cantando:  Boemia, aqui me tens e regresso...- foi um sucesso!)

Dona Jacy cuidava e vestia os peões que passavam pelo ambulatório. Certo dia apareceu um garoto machucado e ele estava todo sujo. Ela deu banho no garoto , enrolou-o em uma toalha, cuidou de fazer o curativo, mas quando foi pegar uma roupa para ele , e eram roupas usadas , consertadas e limpinhas, não tinha nada que servisse ao garoto devido ao tamanho.
Decidida , pegou um saco de farinha já alvejado, cortou uma calça e como deixava sua máquina de costura no ambulatório , ali mesmo fez uma roupa nova para o garoto em minutos.

Coitado, era o melhor que se podia fazer no momento, mas mesmo assim quando o garoto estava chegando em casa, mancando, roupinha branca, de longe sua mãe não o reconheceu e quando chegou perto disse que ele estava lindo, e parecia um príncipe. Éh, o povo sempre retribuiu a ajuda de dona Jacy e este sempre foi seu melhor pagamento.

Eventualmente vinham o dr.Renato Monfort,  o dr. Moaciar Nicácio e o dr. Floriano como médicos. Lembra-se de tantas coisas, do armazém, do seu nene Perini chefe do escritório, dona Zulmira...

Dificuldades


Como todo lugar , a Santa Lina também tinha suas dificuldades, mas lembra-se sempre da fartura do local. Tinham água a vontade. Tinha a granja que fornecia alimentos e ajuda na cesta básica.


stlina_jacy6.jpg (36804 bytes)
Granja, ovos e alimentos

stlina_jacy8.jpg (68848 bytes)
A granja

stlina_jacy10.jpg (33084 bytes)

Recorda-se do trem, do trolinho, puxado a cavalo que  levava as pessoas das estação até perto da caixa dágua onde era o armazém velho.

Moradia também não era fácil. Quando chegou a primeira professora em Santa Lina, Dona Iracema de Paraguaçu Paulista,  não tinha onde morar e dona Jacy hospedou-a em sua casa. Antes era a "Escola Reunidas" e depois que passou a ser "Grupo Escolar". Mais tarde, outras três professoras também foram morar em sua casa.

stlina_jacy11.jpg (72879 bytes)
Escolas Reunidas, foto provável dos anos 40

Pé de manga

Quando chegou em Santa Lina e entrou  no parque, bem em frente a casa patronal tinha um pé de manga mas tão carregado que aquilo foi para ela uma visão de dias melhores, dias de fartura, a sombra, as frutas , parecendo até que pé de manga a acolhia. Sempre que tinha uma fraqueza ou quando estava triste ia em baixo do pé de manga e sentia-se reconfortada, suas energias voltavam .


stlina_jacy9.jpg (30064 bytes)
Sr. Eloy, pendurando a roleta para o sorteio na quermesse

Dona Jacy sempre olhava para o simples , para o bonito do simples e para as coisas positivas. Certa época que viajou para o Mato Grosso, não para passear, para trabalhar,   para cozinhar para os tropeiros e peões  enquanto vacinavam o gado que os Giorgi tinham no Mato Grosso, viu uma teia de aranha no meio do rio , e os pingos de água do rio que ricocheteavam prendendo-se na teia, com o brilho do sol  pareciam brilhantes presos na teia de aranha. Ficou paralisada vendo aquilo. Não esqueceu jamais  desta imagem como uma das mais lindas que já viu. Para alguns uma coisa sem sentido, para ela um capricho da natureza impossível de imitar, a pureza sem limites.

Plantação


Dona Jacy adorava mexer na terra. Plantou muita coisa em sua casa. Fez também uma plantação de tâmara e a primeira safra só foi dar 12 anos depois. Tinha paciência.

As varas de pesca

Sr. Eloy era um homem bastante severo , por outro lado muito justo. Sistemático tinha ciúmes de suas coisas. Sr. Eloy tinha um jogo de varas de pesca especiais, bem cuidadas, uma para cada tipo de peixe e eram tralhas de estimação.

Um dia , o ajudante de dona Jacy que trabalhava no ambulatório , o Flávio, pediu para ela emprestar as varas para ele pescar. Dona Jacy respondeu que não, temia a bronca do sr. Eloy, mas Flávio a convenceu, dizendo que quando ele chegasse do trabalho as varas já estariam no lugar e bem cuidadas. Ele nem ia perceber. De tanta insistência dona Jacy ficou com dó e emprestou mediante mil conselhos de cuidados e total segredo.

Quando Flávio estava pescando na represa proibida, junto com outras pessoas, foi surpreendido pelo sr. Eloy que chegou sem que eles pudessem notar, que enfurecido falou:

"- eu já falei que não quero ninguém pescando aqui, vocês não viram as placas, já cansei de avisar. Enquanto alguns correram , Flávio ficou estático. Sr. Eloy pegou as varas e quebrou-as no joelho, sem reconhecer que eram suas.

"Isto ,sr. Flávio, é para o senhor aprender a não pescar mais aqui."  E foi embora.

De noite, quando chegou em casa.

- Jacy, onde estão minhas varas de pesca ?

Uéh, não estão aí ? Acho que roubaram !

Sr. Eloy morreu sem saber a verdade.

O começo do Fim


A fábrica de  Proteina foi  a razão da  decadência onde a terceira geração da família, após a morte do dr. Rodolpho,   resolveu investir em algo que não conheciam . Foi realmente uma tragédia. Começaram aparecer muitos dependentes na Fazenda, pois  maridos morriam e as famílias iam ficando e morando  lá,  toda ela financiada pela Fazenda, até que quebrou e muita gente ficou sem fundo de garantia, sem seus direitos. É uma pena que tenham acabado tão mal.

Quando saiu de Santa Lina o  sr. Eloy já não estava bom de saúde, e resolveu voltar para Campinas e o motivo foi na verdade estar perto da filha e dos netos. Dona Jacy tinha os pais em Campinas e também sua filha Marilze, que já tinha deixado Santa Lina nos anos 60 para estudar.

Dona Jacy não queria vir. Adorava e chora até hoje por Santa Lina.


stlina_jacy2.jpg (62561 bytes)
Amauri O. Prado, Dona Jacy, Dircinha e Maurício em Março de 2004 - Campinas

Depois de 31 anos morando na Santa Lina ( 1949 a 1980) , havia 3 meses que dona Jacy tinha se mudado para Campinas e tinha até comentado com sr. Eloy sobre isto. " Olha , Eloy, hoje estão fazendo três meses que estamos aqui".
Neste mesmo dia Sr.Eloy morreu, infarto fulminante,  no dia 6 setembro de 1980.

Dona Jacy somente voltou em Santa Lina para visitar, talvez duas vezes em 81 e 82. Não agüentava de ver aquela tristeza.
Quer levar a lembrança do como era naquele tempo , como está gravado em sua mente e coração.

Dona Jacy até hoje não se sente  em sua casa. "Não sei, mas parece-me que eu estou num hotel, ou na casa de alguém, não me sinto em minha casa. Quando durmo, os meus sonhos ainda são com a minha verdadeira casa, lá em Santa Lina, meus vizinhos, meus amigos, meu povo, meu pé de tâmara, o pé de manga...lá onde eu era feliz.... meu coração ficou lá".


Agradecemos a dona Jacy, pelo seu tempo , pela sua generosidade , por ser a pessoa que é.
 Foto da teia de aranha proviniente do site http://garatujando.blogs.sapo.pt