Localização História Estatística Política Cultura Variedade Vistas Personalidades Solidariedade Procurar Créditos Home

O cruzeiro


Recentemente, quando da remodelação do Jardim da Casa Patronal da antiga Fazenda Santa Lina (hoje Industria Zilo Lorenzetti) em Quatá foi removido um cruzeiro ali existente.
Tal marco foi ali colocado quando aqui chegaram os primeiros colonizadores e proprietários da então Empresa José Giorgi e para que ficasse perpetuado o espírito de trabalho e a fé do povo que chegava foi realizada a 1.ª missa no local.
Quando das escavações para retirada do referido cruzeiro, foi encontrada uma garrafa com uma folha de papel que historiava toda cerimônia, citando seus personagens e incitando o espírito de luta e coragem dos lavradores.
Trata-se de documento histórico, não só para Quatá, mas para todo o Oeste Paulista, que teve nesses homens os verdadeiros desbravadores e iniciadores de um grande progresso.
Eis na integra e teor do referido documento:

LA PRIMA MESSA CELEBRATA IN SANTA LINA

Il giorno sei di gennaio (1925) si pé celebrata una grande festa Religiosa com una selennitá e concorso de popolo che raramente possono verifica nelle varia cittadine della regione del Paranapanema. De Quatá giunsere i reppresentanti delle politica locale e dalla vicina Conceição de Monte Alegre alougue Signore e Signorina.

Alle cre 9,1 infaticabile e colto padre Giovanni Barsocchi celebró dinazi a due mila persone, una solenne Messa cantata. Finita la Messa pronnunzió un discorso emprotato ai sentimenti del piu puro patricttismo e ricordó si lavoratori i deveri di disciplina e ubbidienza sanciti dalla religione Cristiana.

Alle cre 12,1a diresione della Fazenda offrí, nel salone mássimo delle scuole, un lauto pranzo preparato com encomiabila gusto dalla distinta família Araujo. Allo chmpanhe a nome dell impresa José Giorgi, 1- Ing. Bruno Giovannetti, portó il saluto aí convenuti e rilevó 1’ opera altamente patriottica spiegata dal Nolto Reverendo Padre Barsocchi durante 1ª grande guerra a favore del trionfo della causa italiana.

Rispose ringraziando il padre Barsocchi com un ardente esaltossiore del lavoro no all estero e fece voti per la prosperitá sempre crescente della grande azienda agricola creata dallo spírito tenace e progressista del com. Giuseppe Giorgi. Fu vivamente e ripetutamente applsudito. Alle quattro pomerdiane vi fu la processione com grande cocorso di popolo. Dopo la precessione il padre, che é un fecondo e brillante e oratore nella cappella provvisória, costruita per la festa, benedí il popolo toto e, com un bem improntato discorso, ricordó 1 ‘ opera di San Francesco di Assisi, che Dante chiamó il “serafico in ardore” e procuró agli auditoriun alto godimento dello spirito, transcinandoli a un entusiastica ovazione finale. Durante la festa regnó la massima cordialitá e armonia, il cui ricordo rrá impresso negli animi di quei modesti e semplici lavoratori.

Dal quotidiano IL PICCOLO  del tempo.
Demolita la cappella in legno si é innalzata la croce per perpetuaria la memoria,- 26 luglio.1933


Traduzindo:

A PRIMEIRA MISSA CELEBRADA NA SANTA LINA
Aos 06 de janeiro de 1925 foi celebrada uma grande Festa religiosa, uma solenidade que raramente se passa nas cidadezinhas da região do Vale do Paranapanema. De Quatá vieram representantes da política local e da vizinha Conceição de Monte Alegre, algumas senhoras e senhoritas.
As 9 hs. O infatigável e culto padre Giovane Barsocchi celebrou diante de 2000 pessoas uma solene missa cantada.
Finda a missa pronunciou um discurso de improviso aos sentimentos do mais alto e puro patriotismo e lembrou aos lavradores os deveres de disciplina e obediência apregoados pela religião cristã.
As 12 hs a Direção da fazenda ofereceu no salão nobre da escola um lauto almoço preparado com finíssimo bom gosto pela distinta família Araujo.
A hora do “champanhe” em nome da Empres. José Giorgi, o Engenheiro Bruno Giovanetti deu as boas-vindas aos presentes e relembrou a obra altamente patriotica explicada pelo muito Reverendo Padre Barsocchi durante a grande guerra em favor do triunfo da causa Italiana. Respondeu agradecendo ao Padre Barsocchi com ardente exaltação pelo seu trabalho no exterior e fez votos de prosperidade sempre crescente do empreendimento agrícola criado no espírito tanaz e progressista do Com. Giuseppe Giorgi.
Foi vivamente e repetidamente aplaudido.

As 04 hs da tarde houve uma procissão com grande participação popular.
Após a procissão o padre que é um fecundo e brilhante orador na capela provisória construida para a festa, benzeu o povo todo e com um bem improvisado discurso recordou a obra de São Francisco de Assis que Dante chamou “Seráfico do ardor” e desejou aos ouvintes uma alta satisfação do espírito, arrastando-os a uma entusiástica ovação final.
Durante a festa reinou a máxima cordialidade e harmonia, cuja lembrança permanecerá impressa nos ânimos desses modestos e simples lavradores.
Extraído do diário “Il Picolo”, do tempo.
Demolida a capela de madeira foi erguida a cruz para perpetuá-la na memória – dia 26 de Julho de 1933.


Agradecimentos aos que contribuíram para esta página:
Histórico: Adelmo Pires Barboza
Tradução: Pietro Materassi
Apoio : Márcio Rogério Fante - Moises Vieira
Foto: enviada por Maria Ida Martini ( foto datada de 06 de agosto de 1933)
F
otoestilização: G.Conde