Localização História Estatística Política Cultura Variedade Vistas Personalidades Solidariedade Procurar Créditos Home

Olimpiada da Lingua Portuguesa - Escola Chiquinho

OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA

- ESCREVENDO O FUTURO –

 

Gênero: Artigo de opinião

Tema: O lugar onde vivo

Questão polêmica: Por falta de entretenimento, lazer, atividades culturais, falta de perspectiva de futuro, a juventude quataense faz uso abusivo de bebida alcoólica.

Autora:  DANIELE DAYANE DA SILVA

Profª  orientadora:  Vanessa Gimenez da Silva            

 

Título:  JUVENTUDE EMBRIAGADA

 

Diversão, aceitação em determinado grupo, chamar a atenção dos outros para si, sair da rotina, fugir dos problemas, ou, simplesmente, o gosto pela bebida. Esses são os motivos mais citados pela juventude quataense quando questionada sobre o uso abusivo e consumo de bebida alcoólica. Entretanto, serão estes os reais motivos que induzem o adolescente à bebedeira?

 

O jovem quataense, ultimamente, vem adotando esse comportamento: exagerar na hora de beber, o que acaba causando outros problemas, como o envolvimento em confrontos violentos entre grupos rivais, acidentes automobilísticos graves, muitas vezes com vítimas fatais. Isto confirma que o ato de se embriagar prejudica não só aquele que o pratica, mas também aqueles que estão a sua volta.

 

A falta de maturidade entre  os adolescentes faz com que se sintam acima de todos os problemas que a bebida  possa trazer ao ser humano. Pensam que,  mesmo embriagados, têm o controle da situação. Sob os efeitos da bebida são arrojados, destemidos. Por estas razões, têm iniciado a vida boêmia cada vez mais cedo.  Acrescente-se a isso, o fato desta droga ser lícita  e a falta de fiscalização, quanto à venda da bebida a menores de 18 anos.

 

Creio que também a mídia tem a sua parcela de responsabilidade, ao tentar induzir o consumo de bebida alcoólica, associando o ato de beber a coisas boas, a alegria, ao sucesso pessoal, a beleza física.

 

Por outro lado, a falta de perspectiva em relação ao próprio  futuro, a falta de sonhos, de objetivos, de metas, podem ser, também,   fortes razões para levarem nossa juventude à alienação através do álcool. Até porque, quase não existem opções e oportunidades de empregos, cursos, atividades culturais, esportivas e de lazer saudável em nossa cidade. A economia do município de Quatá gira em torno da usina  açucareira. O  seu destino está traçado e pré-determinado. O jovem espera pouco para si e exige muito menos da vida. Parece que o imobilismo, a estagnação tomaram conta da nossa juventude. Assim expostos, estão sujeitos a serem  facilmente tragados pelas drogas – lícitas e ilícitas. Estas drogas acabam funcionando como válvula de escape para as suas angústias. Na verdade, estas angústias são reflexos da vida sem rumo certo, sem objetivos, sem sonhos.

 

Que a embriaguez fosse provocada pela beleza de um poema, por uma apresentação teatral, por uma ópera, por uma orquestra sinfônica, pela superação de obstáculos, pela vitória em competições esportivas... As idéias estão aí. Onde estão  as políticas públicas que, segundo as leis, a criança e o adolescente devem ter prioridade de atendimento na definição destas políticas?

 

Temos, sim,  o sorrir embriagado pelos efeitos do álcool, como sinônimo da desorientação que, geralmente, traz consigo as lágrimas do arrependimento e das impossibilidades.


Matéria enviada pela diretora da Escola Chiquinho , prof. Maristela Romano - estelaromano1@hotmail.com