Localização História Estatística Política Cultura Variedade Vistas Personalidades Solidariedade Procurar Créditos Home

Luiz Albert Canales
nascido em Quatá no Circo Oni, professor universitário e autor de vários livros


Luiz Canales nasceu em Quatá em 26 de Setembro de 1943  no "Circo Teatro Oni",  que era de seus avós e onde seus pais atuavam . Logo após seu nascimento  deixou a cidade  acompanhando as excursões costumeiras feitas pelo circo. Voltaram à Quatá em 1945 quando ele tinha dois anos. Assim sendo, praticamente viveu na cidade por poucos meses mas o bastante para nunca mais esquecer sua cidade natal. O circo onde Luiz nasceu tinha sido comprado por seu avô da família Queirolo, famosos no mundo circense no Brasil.

Em 1953 o circo foi vendido. Todos os Canales foram contratados pela Radio Tupi e TV Canal 3 (depois Canal 4). Enquanto os Canales foram pioneiros e faziam TV, Oscarito, primo do Luiz , fazia grande sucesso no cinema, e um tio, irmão de sua avó chamado Alfonso Stuart, fazia teatro no Rio de Janeiro. O nome Stuart era da bisavó de Luiz  e de origem  escocesa. Walter Stuart e seu filho Adriano Stuart , tio e primo respectivamente, também pertenciam ao mesmo circo, contudo suas vidas se distanciaram após a venda do circo.

A família Canales veio da Espanha , contratados por circos no Brasil e na Argentina.  O nome Canales pertencente ao seu avô paterno e a família Marcelino Teresa, pertencente à sua avó materna

Luiz Canales freqüentou escolas em São Paulo entre 1953 até 1964. Nesse período fazia pontas em programas de TV. Fazia também dublagens de Elvis Presley. Seu sonho era ir para os Estados Unidos e tentar ser ator em Hollywood. Em 1962, porém, afiliou-se à Igreja Mórmon e o sonho de Hollywood desapareceu.


Campus da Brihgam Young Univesity

Luiz foi parar na Brihgam Young Univeristy, dos Mórmons, na cidade de Provo, Utah, onde decidiu se formar professor.

" Troquei a tela do cinema pela platéia da sala de aula ", comenta Luiz.

Formou-se em 1973 bacharelado e em 1975 tirou seu Mestrado em Literatura Anglo-Americana e Literatura Hispano-Americana. Logo em seguida foi para o Japão lecionar Língua Espanhola, Cultura Latino-Americana além de participar junto ao Departamento de Português com aulas de conversação e de Cultura Brasileira. No Japão, durante os anos 80 e parte dos anos 90 teve uma vida ativa escrevendo e publicando em jornais no Japão e no Brasil. Foi nesse período que também que se dedicou a pesquisa e a escrita da biografia de Gina Lollobrigida, artista pelo qual tinha e tem grande admiração . Essa informação da paixão pela atriz italiana poderá ser comprovada em um dos primeiros capítulos do livro, que foi lançada nos Estados Unidos e também no Brasil.

Mesmo que Lollobrigida não tenha contribuído com nada para que Luiz escrevesse o livro, pode-se ver nos agradecimentos na obra que Luiz recebeu ajuda de artistas famosos como o diretor John Huston, da atriz Janet Leigh, e do diretor francês Christian-Jaque. Durante essa época, manteve correspondência por muito tempo com celebridades como Charlton Heston, Dirk Bogarde, a atriz Carol Baker e outros nomes que aparecem naquela página.


Dois dos 12 edifícios do campus da Universidade de Estudos Estrangeiros de Kyoto, onde Luiz leciona

Sua primeira publicação no Brasil foi no Jornal de Letras do Rio de Janeiro, uma poesia, "A Procissão da Fome" recomendada ao editor por Dinah Silveira de Queiroz que Luiz conheceu durante sua visita ao Japão em 1980. Luiz mantém até hoje amizade e correspondência com o marido de Dinah, o ex-embaixador do Brasil Dario M. de Castro Alves.

No campo literário, Luiz fez seis exposições da obra e vida do escritor Yukio Mishima. As exposições feitas em Kyoto, Osaka e Kobe contavam com obras do autor em inúmeros idiomas, edições preciosas de lançamentos de primeira mão, fotos, posters, e materiais raros colecionados durante um período de dez anos. Contudo Luiz deixou Mishima de lado para escrever sobre Gina Lollobrigida, " a única e grande paixão de minha vida, apos a vida em si", revela Luiz. Isto tudo foi nos anos 80. 

Luiz profetiza: "Sou apaixonado pela vida. Quero ser o primeiro homem a viver até os 150".

Entre dezembro de 64 e parte de 75, viveu nos Estados Unidos com esporádicas visitas ao Brasil. Hoje Luiz Canales encontra-se no Japão, morando em Kyoto desde 1977. É professor  na Universidade de Estudos Estrangeiros de Kyoto.


Cidade de Kyoto - Kawaramachi onde vive Luiz Canales



Luiz diz que é admirador de Che Guevara, Eva Perón, Jesus Cristo e de todos que lutam por causas justas a favor dos menos favorecidos no mundo. 

Luiz é também palestrante. Luiz em sua entrevista declarou:

- "Já palestrei sobre o Japão em varias entidades no Brasil, Estados Unidos e na Argentina. Gostaria muito de palestrar nas escolas locais e no Rotary Club de Quatá, um dia !"

 


Templo "Kinkakuji"  - Pavilhão Dourado
 Um dos mais famosos em Kyoto. O escritor Yukio Mishima escreveu um romance que leva o mesmo título e é sobre um jovem monge que incendiou o templo, mais tarde restaurado

Em nossa entrevista , Luiz comenta:

"Sou apaixonado pelo Flamenco e Tango, o que mostra a profunda raiz cigana dentro de mim, já que nasci no circo. Sou romântico de carteirinha. Amo a vida e aqueles que dependem de mim para viver. Para mim uma amizade é coisa sagrada. Acredito que o verdadeiro amigo pede emprestado para emprestar. E vou até mais longe, pede emprestado para dar.


1990

2007

Luiz Canales em 1990 quando foi publicado o livro de Gina Lollobrigida, e ele agora, 2007 em Arashiyama, Kyoto.

 

Não falo de boca. Pratico o que prego.

Meu defeito: digo o que penso, doa a quem doer. Não sento para tomar um copo d'água com uma pessoa a quem não aprecio. Nunca seria um bom político. Muito menos um diplomata. Sou radical em vários sentidos. Adoro desafios. Escrever a biografia de Gina Lollobrigida foi um dos maiores que já enfrentei. Em resumo, estou casado com a vida desde que nasci em Quatá."

Luiz, que tanto rodou o mundo, seguindo a tradição nômade dos circenses, existe algo mais forte que não o faz esquecer de sua origem, de suas raízes: a de ser quataense. Para nós quataenses o privilégio e orgulho de ter um cidadão ilustre que nos representa de forma honrosa nossa cidade na terra do sol nascente.


Agradecimentos ao Luiz Canales, pelo livro e pela entrevista no texto